jusbrasil.com.br
19 de Setembro de 2019

Advogados viciados em trabalho: teste

Teste para saber

Thaiza Vitoria, Consultor Jurídico
Publicado por Thaiza Vitoria
mês passado

Hoje acordei com o celular na mão e pensei: - Acordei! Podem me contar o que eu perdi enquanto dormia?

Muito prazer, sou uma workaholic em recuperação, e você?

Aprendi com alguns exemplos à minha volta que uma pessoa de sucesso deveria estar conectada à todos, ciente de todas as notícias, provando do máximo de sabores possíveis, tendo conhecido pelo menos dois países antes dos 30, falando pelo menos o inglês, com algum patrimônio (casa própria, escritório físico, dinheiro guardado, aplicações, mestrado à caminho ou caminhando, carro automático (com menos de 5 anos de fabricação) e crédito, muito crédito...).

Não é à toa que o sistema denomina os endividados como pessoas sujas (associando seu nome, sua identidade, a um compromisso não cumprido) e os adimplentes como credores, que tem crédito, que tem CREDIBILIDADE.

Antes que eu esqueça, participe do nosso grupo gratuito de Produtividade Juridica SEM VENDER A ALMA =>Entre por AQUI: http://bit.ly/secadv12

Mas voltando ao nosso foco inicial, quero mesmo é falar um pouco sobre a escravidão a que milhares de advogados estão submetidos para sustentar o rótulo de profissionais de sucesso.

Engraçado, as vezes vejo algumas influenciadoras no instagram falando para mim (e para milhares de seguidores) como se estivessem batendo ponto, batendo continência. Elas falam mais ou menos assim:

Pessoal, hoje o dia está corrido, não reparem na cara sem make e no cabelo bagunçado, não deu tempo de me arrumar, hoje acordei as 5, já fui correr, tive 3 audiências, agora vou para uma reunião de negócios, depois vou correr para fazer um lanche rápido, e se der tempo, volto aqui para falar com vocês. Ahhh sim, não esqueçam que as vagas para a mentoria estão quase esgotando, olha lá, hein!..

As vezes me dá vontade de abraçar essas pessoas, e dizer que elas não me devem ABSOLUTAMENTE NADA para que tenham que me dar satisfação de cada hora do seu dia.

Voltando para a questão do vicio em trabalho ou no hábito de mostrar ao mundo que estamos trabalhando (a maior parte do dia), eu vejo que trabalhar longas horas e ganhar bem, é considerado pela maioria como sinônimo de sucesso. E ser chamado de workaholic (viciado em trabalho), um elogio.

Vamos fazer um teste do quanto isso é verdade para você?

Experimente cochilar à tarde, acordar e atender o telefonema de um cliente com voz de sono, dizendo: Olá, acabei de acordar (14:30), em que posso te ajudar?

Hahahahahah

Aquele que nunca mentiu dizendo estar resfriado ou rouco por causa da voz de sono, que atire a primeira pedra!

O problema não é trabalhar, pois isso dignifica o homem, a questão é quando o desejo obsessivo de trabalhar é exercido em detrimento do resto - saúde, relacionamentos e mesmo a qualidade do trabalho.

O mais louco é que pelas pesquisas que eu tenho feito, o excesso de trabalho tem gerado perda de produtividade, escassez financeira e distúrbios emocionais, e não o contrário.

Uma análise recente de pesquisadores da Universidade da Geórgia (EUA) examinou estudos acadêmicos existentes neste campo e concluiu que, entre outras coisas, workaholics , como são conhecidos os viciados em trabalho, são menos produtivos do que colegas com atitude mais saudável em relação ao trabalho.

Outro estudo em larga escala, publicado em maio pela Universidade de Bergen, na Noruega, viu correlação entre tendências de trabalho em excesso e outros distúrbios psiquiátricos, como transtorno obsessivo compulsivo, ansiedade e depressão.

WORKALOVER X WORKAHOLIC

Mas se você tem uma rotina equilibrada e prazerosa, com resultados positivos, é possível que você seja um workalover não é um workaholic! Aquele que é apaixonado por seu trabalho sabe o momento de separar vida profissional e pessoal e não tem problemas com isso.

Estar apaixonado pelo que faz e desejar compartilhar isso com o mundo é uma expressão de estar VIVO! Diferente disso é quando nos sentimos SUGADOS E ESGOTADOS com as nossas próprias escolhas, e não sabemos como sair dessa corrida de ratos ( workaholic)

O acúmulo de trabalho, perfeccionismo, idealizações por alta performance, metas e mais metas a serem batidas, horas extras e muita, muita cobrança.

Trabalhar como se não houvesse amanhã - como se o futuro só dependesse do serviço e de esforços contínuos (e culpa sempre presente) é o que acompanha os workaholics.

Muitos advogados não sabem, mas quando trocam a maior parte da vida pelos infindáveis compromissos profissionais, correm mais risco de desenvolver doenças como ansiedade, estresse, depressão, pânico e até mesmo a chamada Síndrome de Bournout.

De acordo com um levantamento realizado pela International Stress Management Association (Isma) nos anos de 2013 e 2014, pelo menos 30% dos profissionais brasileiros apresentaram algum grau desse problema. Os trabalhadores citaram sintomas como insônia, sinais como despersonalização ou ceticismo e distanciamento afetivo, queda de rendimento, falta de energia e empatia pelos colegas de trabalho, baixa produtividade, falhas na execução das tarefas, insatisfação pessoal e cansaço intenso (mencionado por 97% dos portadores da síndrome)

Em artigo publicado no New York Times, a diretora do Facebook, Sheryl Sandberg, e o professor de administração da Universidade da Pensilvânia, Adam Grant, relataram que, de modo geral, são as mulheres as que mais sofrem com esse distúrbio. Isso ocorre porque muitas vezes elas abraçam as tarefas domésticas e o cuidado com os filhos ao mesmo tempo que precisam lidar com as questões do trabalho. Em síntese, na vida moderna, cerca de afazeres, a gente tende a cuidar de todo mundo menos de nós mesmos.

Esse problema é crônico em todo o país. Os brasileiros, como mostra o relatório da Isma - Brasil, ocupam o segundo lugar em relação às pessoas com maior nível de estresse (30% se queixa de pressão e exaustão no cotidiano). O Brasil ficou atrás apenas do Japão, onde 70% da população está estressada.

Isso tudo somado ao dado que já temos de que a ADVOCACIA É A 4º PROFISSÃO MAIS ESTRESSANTE DO MUNDO.

E o que muitos não querem admitir é que o estresse, além de complicações na saúde, traz prejuízos para os negócios. Só no Brasil, a falta de produtividade causada pela exaustão gera, segundo as estimativas, uma perda de 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto), conforme cálculos feitos pela Isma em 2010. Já em grandes potências mundiais, como os Estados Unidos, 60% das consultas ao médico no país resultam de problemas e doenças ligadas ao estresse e as empresas americanas perdem ao todo US$ 300 bilhões por ano em função da queda na produtividade, do absenteísmo, de gastos com assistência médica e de custos adicionais correlatos ao alto nível de tensão, segundo pesquisas da American Institute of Stress

E O SONINHO DE MENTIRINHA?

O brasileiro dorme menos do que as 8 horas recomendadas pelos especialistas, e a maioria não sabe criar o sono de qualidade, não sabe respirar corretamente, não se alimenta como deve antes de dormir, não reduz a iluminação e distrações, e com isso não tem um sono reparador, portanto, brincam de dormir, em sua maioria, acordando cansados e ainda com sono.

Isso sem falar da parcela da população que sofre com distúrbios do sono (os mais comuns: síndrome das pernas inquietas, jet lag, narcolepsia, terror noturno, sonambulismo, apneia obstrutiva do sono e insônia), que acomete 36,5% das pessoas.

COMO SE TORNAR UM WORKAHOLIC EM RECUPERAÇÃO?

O primeiro passo para reverter tudo isso é aprender a se autogerenciar, adotando um estilo de funcionamento focado em autoconhecimento.

Como o próprio nome indica, a autogestão nada mais é do 🎯 você se tornar seu principal gestor, melhorando a eficiência nas suas atividades, se organizando melhor, evitando a procrastinação e o acúmulo de trabalho, gerando mais tempo livre, ENQUANTO GERENCIA SUAS EMOÇÕES.

🎯Tirar os planos do papel e executá-los, sem se perder com atividades banais, isso sim é atributo típico de quem se conhece de verdade!

Parece sonho, mas não é! Parece talento, mas não é! ISSO É TREINO!

Eu mesma, até os 22 anos, era o que eu considero uma “fracassada” que vivia patinando sem resultados efetivos. Era invisível no mercado, ansiosa crônica, hipocondríaca, sociofóbica, e com fortes tendências suicidas.

Eu sentia que precisava de ajuda, mas não investia nisso...No fundo eu esperava que as coisas se resolvessem com o tempo, e acreditava que algo do além fosse acontecer para me tirar daquela situação.

Mas esse algo nunca aconteceu. Uma hora eu tive que acordar e decidir gerenciar a parte que me cabia no caos que eu havia criado.

Foi esse ponto de virada, a adoção de praticas de autogestão (autoconhecimento), que me permitiu atrair centenas de clientes, milhares de alunos, a falar em público para outros milhares de advogados, para ser lida por outros milhares (incluindo você agora), a superar a morte do meu pai, a superar o medo de dirigir após um acidente de moto, a ser mãe solteira depois de um divórcio traumático, a lidar com várias cirurgias de risco, superar uma depressão suicida, ao mesmo tempo em que eu era convidada para entrevistas, premiações, lançamento de livros, ministração de cursos em OABs, Faculdades e Empresas, e ser considerada uma referência no meu mercado.

O maior desafio da minha vida não foi conquistar as metas que desejei, mas ser feliz enquanto isso. AINDA ESTOU TREINANDO NISSO, mas quero compartilhar o que já consegui vencer com você, assim como aqueles que me ajudaram, fizeram comigo.

Se deseja aprender mais sobre como ser produtivo SEM VENDER A ALMA, entre no nosso grupo gratuito de Produtividade Juridica SEM vício =>Entre por AQUI: http://bit.ly/secadv12

Muito obrigada pelo seu tempo.

38 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Nossa Dra. O texto é longo, mas que bom que eu consegui ler até o final. Agradeço por suas palavras, precisava ler isso! Esse agora é meu desafio também, ser feliz enquanto conquisto minhas metas. continuar lendo

Querida Flávia, obrigada pelo seu tempo dedicado a essa leitura. De fato é longo sim, e me custou algumas horas de escrita e outras horas de coragem. Estou a disposição. Forte abraço continuar lendo

Vou-me em você. Estou assim. Qual o pari passou para sair disso. Pelo amor de Deus!!!!choro continuar lendo

Seu artigo é um salva-vidas!!!! Parabéns! continuar lendo

Obrigada, querida. Esses dados já salvaram a minha vida, embora eu não tenha conseguido salvar alguns órgãos à tempo. Mas sempre podemos aprender a fazer diferente, desde que escolhamos. Forte abraço! continuar lendo

Adorei o conteúdo. Alcançou-me no tempo certo. Que venham outros textos desses! continuar lendo

Com certeza virão outros, obrigada pelo seu tempo e leitura, e parabéns pelo zelo que tem dedicado aos seus projetos. Forte abraço! continuar lendo