jusbrasil.com.br
16 de Junho de 2021

6 Clientes que devem ser evitados

O 6º é o mais difícil

Thaiza Vitoria, Consultor Jurídico
Publicado por Thaiza Vitoria
há 6 anos

6 Clientes que devem ser evitados

Por indicação de grande amigo e admirado advogado, compartilho um artigo que achei fantástico e que se aplica perfeitamente a realidade juridica. Parabéns Luciano Larrosa pelo artigo e Dr. Thiago Araujo pela indicação.

Uma das formas de evitar problemas com clientes é sendo rigoroso nos projetos que você trabalha. Um dos erros mais comuns de quem está começando a carreira de freela, é pensar que todos os clientes são realmente bons clientes. Infelizmente, alguns acabam dando mais trabalho do que o dinheiro do projeto poderia pagar, o que faz com que o freela fique no prejuízo.

Uma das formas de você evitar esse tipo de problemas, é sabendo identificar as características dos clientes mais problemáticos. Ao longo deste artigo, vou alertar você para alguns dos traços mais comuns entre esses clientes e ainda vou compartilhar estratégias de como você deve proceder. Vamos lá!

1. O QUE FOGE DE PAGAMENTOS INICIAIS

Um dos primeiros sinais de um cliente problemático está relacionado com pagamentos. Uma das premissas que eu tenho no meu negócio é de cobrar, pelo menos, 50% do valor do projeto logo ao início. Se possível, tento logo os 100%, mas sei que isso muitas vezes é difícil para o cliente, principalmente em projetos de valor mais elevado. Esta premissa faz com que eu rejeite, logo à partida, clientes que não pagam pelo menos 50% do valor adiantado.

Mas dessa forma você não perde clientes Luciano?”

Sim, eu perco muitos clientes. Porém, ter muitos clientes não deve ser o objetivo final do freela. O objetivo final deve ser uma boa quantidade de clientes que você possa confiar. Clientes que não atrasem pagamentos e que se foquem na conclusão do projeto.

E pela experiência que eu tenho, clientes que não querem investir logo ao início em você, mais tarde ou mais cedo vão gerar problemas relacionados com pagamentos (ou seja, você vai ficar sem receber).

Como proceder: Diga logo ao seu cliente que só trabalha com 100% do valor adiantado. Se ele reclamar, diga que você pode “descer” para os 50% adiantados, no máximo. Explique que anteriormente já teve problemas com clientes que pagavam depois e que prefere fazer dessa forma. Se ele não respeitar, é porque ele não é um bom cliente para você.

2. O QUE ESTÁ SEMPRE DANDO A OPINIÃO

Considero que o bom relacionamento entre o freelancer e o cliente é um dos segredos para projetos de longo prazo. E para que esse relacionamento seja saudável, é necessário que o cliente opine e troque algumas ideias que o freela. Contudo, existe uma grande diferença entre “dar algumas opiniões” e querer ficar o tempo todo modificando o seu projeto…

Se está trabalhando com um cliente que tem esse hábito, fuja dele. Esse tipo de clientes deixam o seu projeto com menos qualidade, o que acaba deixando você frustrado e com menos tempo para se dedicar aos clientes que realmente interessam!

Como proceder: Faça um teste de um mês com esse cliente. Se ele continuar sendo extremamente intromissivo no seu trabalho, a melhor opção é dispensá-lo. Mais uma vez, siga a lógica que expliquei neste artigo: dispense os maus clientes para que você possa encontrar bons clientes.

3. O QUE NÃO TEM HORA

Você sabe aquele cliente que liga para você no domingo ou durante a semana logo às 7 da manhã? Pois é, esse é outro tipo de cliente que deve evitar. Com estas atitudes, este tipo de clientes dão um claro sinal que eles não respeitam o seu trabalho: eles só estão focados no resultado. E como eu expliquei, um relacionamento duradouro obriga a um respeito mútuo de ambas as partes.

Como proceder: Você aqui tem dois caminhos. O primeiro é evitar que esse tipo de situações aconteçam através da assinatura de um contrato com o cliente. No contrato, forneça o seu horário de trabalho e deixei bem claro que ele só pode ligar dentro desse período de tempo. Se você não deixou isso definido, a segunda possibilidade é avisar o cliente que só vai atender o celular dentro do seu horário de trabalho.

4. O QUE SE ESQUECE DE TUDO

Você marcou uma reunião e ele não apareceu? Você enviou um email e ele esqueceu de responder? Esse é o cliente esquecido. Os seus constantes esquecimentos atrasam projetos, não respeitam o seu tempo e contribuem para um mau desenvolvimento do vosso trabalho.

Obviamente, todos estamos sujeitos a esquecimentos. Porém, comece a preocupar-se se isso for uma constante desse cliente. Preste muita atenção a essa pormenor, pois ele pode ser um claro sinal de que a vossa parceria não tem futuro…

Como proceder: O primeiro passo é, obviamente, avisar o cliente. Avisar que o projeto está atrasando por causa dos esquecimentos dele, que você vai cobrar por esse tempo perdido, etc. Se a situação persistir, ai talvez seja o momento de desistir da parceria.

5. O QUE TEM SEMPRE PROBLEMAS

Sabe aquele cliente que tem sempre um problema de última hora que impede de pagar você ou que atrasa o projeto? Pois é, esses são outros clientes que você deve evitar. São aqueles clientes que inventam sempre uma desculpa de última hora para não fazerem algo..

“O meu carro estragou!”

“Eu transferi o dinheiro mas o banco cometeu um erro”

“Estive em reuniões o dia todo e me esqueci do seu email”

“Eu não recebi o seu email porque ele foi para o SPAM!”

E muitas outras desculpas semelhantes a esta..

Como proceder: Fuja desse tipo de clientes o mais rápido possível! Eles são clientes “enrolões” que no final só querem o seu trabalho de graça. Acredite: enrolão uma vez, enrolão durante o projeto inteiro.

6. O SUPER AMIGO

Existem alguns clientes que gostam de convidar o freelancer para jantar ou até comentam jogos de futebol em telefonemas de trabalho. Desde que você saiba diferenciar o relacionamento pessoal com o profissional, isso não tem problema algum. Porém, tenha cuidado e confira se isso não é uma tentativa do cliente fazer uma longa amizade com você e depois não pagar pelos seus serviços…

Obviamente não existe qualquer problema em você não cobrar pelo seus projetos. Isso é uma opção sua! No entanto, deixe isso bem claro logo ao início: você está trabalhando de graça ou pretende receber desse cliente?

Como proceder:Mesmo que o seu cliente comece a fazer o papel de amigo, não facilite na questão de pagamentos, prazos, etc. Mantenha-se firme às datas combinadas com ele. Não deixe que esse nova amizade comprometa o projeto.

Fonte: http://www.escolafreelancer.com/tipos-de-clientes-que-deve-evitar/

Obs: Se você deseja realizar, gratuitamente, o teste básico de análise de perfil e descobrir se o seu temperamento tem te valorizado como profissional ou o contrário: CLIQUE AQUI

133 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Acrescente-se o Cliente CAUSA GANHA, aquele que já chega pleiteando altos descontos dos Honorários, pois entende que o Advogado não vai precisar fazer nada... continuar lendo

Muito bem lembrado, Bianca! Este tipo de aproximação do cliente realmente acontece bastante e nos incomoda, pois passa claramente a intenção de desmerecer o serviço antes mesmo de contratá-lo. continuar lendo

O cliente MENTIROSO: mente justamente para aquele que o acompanha quando até mesmo a família já virou as costas. continuar lendo

Eu acho que o cliente causa-ganha é um dos piores, pois ele tem a convicção de que tem o direito - agindo como o juiz da própria causa. Além de desmerecer o trabalho do advogado de antemão ainda fala mal caso não obtenha êxito. continuar lendo

O cliente "Causa Ganha" realmente é um dos piores.

Tem ainda outro tipo, talvez seja até primo do "Causa Ganha" .

É aquele que, por ter ido ao cartório do fórum algumas vezes (o que é até sua obrigação como parte e como maior interessado no processo), ou por ter realizado algumas diligências de sua exclusiva competência (providenciar documentos, trazer testemunhas etc) diz que o advogado não fez nada e que a ação só deu certo por causa dele.

Nem sei como devo chamar esse tipo de "cliente". Não tenho um nome pra ele no momento devido à minha falta de criatividade, mas acreditem, ele tipo existe e é bem comum. continuar lendo

Concordo plenamente.
Na minha opinião, os piores clientes são os causa ganha e o que foge do pagamento. continuar lendo

Não existe causa ganha. Você pode aparecer com provas irrefutáveis, testemunhas confiáveis, fazer a melhor petição baseando-se em leis sólidas e jurisprudências do STJ. Se o juiz tiver opinião contrária a sua, ele irá indeferir. E se os desembargadores o apoiarem não tem OAB que mudará isso. continuar lendo

¨¨6 VÍTIMAS que devem ser evitadas... continuar lendo

Prezada Bianca,

E quais seriam os inúmeros tipos de advogados que o cliente deve evitar, pois nesta profissão também temos aqueles que prometem. e infelizmente não cumpriem. continuar lendo

Verdade, né? Estou com um problema "cabeludo" sobre uma fraude na secretaria de saúde de SCS/SP que envolve o nome do meu filho, uma criança de apenas 3 anos e, em uma reunião com um dos diversos advogados que procurei, o excelentíssimo doutor virou e disse "isso é coisa de MP. vc já foi ao promotor e fez a queixa, então o que mais quer de mim?". Ho-ho-ho, ele era pago todo mês para não fazer nada, quem ia no fórum ver como andavam as coisas era eu, quem ia em delegacia falar com o escrivão, eu, quem tinha que sair cedo e deixar o trabalho para resolver isso? Eu. Afff.... continuar lendo

Devem evitar os advogados:
1- Que cobram muito barato, pois não vão fazer nada;
2- Que não tem conhecimento do que você precisa;
3- Somente vá a um advogado por indicação... continuar lendo

Muito bem colocado. É comum pagar antecipadamente e não receber o combinado.
O mais importante é escolher bem o advogado, colhendo informações de amigos, pesquisando em vários meios e "amarrar um bom contrato". continuar lendo

Acredito que são os mesmos inúmeros tipos de profissionais que o cliente deve evitar de todas as áreas:
-Aquele que não lhe passa confiança,
-Aquele que não lhe dá informações coesas,
-Aquele que não responde/retorna suas ligações,
-Aquele que somente deseja o seu dinheiro e não a real solução do seu problema!

Não somente na área Jurídica, mas em todas as áreas;
- evite todo profissional que lhe prometer mundos e fundos em troca de um valor relativamente inferior ao de um profissional conceituado,
- evite depositar toda sua confiança em um único profissional, sempre procure informações com pelo menos três profissionais distintos,
- evite profissionais sem endereço e telefone fixo.
- evite profissionais desorganizados,
- evite profissionais que não lhe passem segurança e não informam tudo o que é questionado. continuar lendo

Principalmente e essencialmente todos aqueles que querem receber 100% adiantado, estes são uma temeridade! continuar lendo

José Roberto e se não conhecer. O que faço. Estou querendo processar uma construtora pela cobrança pela TAXA SATI. Ninguém, até agora, quer pegar por que o dinheiro é pouco. continuar lendo

Bom artigo Thaiza! Me inspira a fazer um plágio sobre os 6 tipos de advogados que se deve evitar:

1) o super ocupado - seu caso é só mais um, aliás o caso de cada cliente é só mais um, pois o importante advogado não quer investir em estrutura para dar um bom atendimento e crescer seu escritório;
2) o vendedor - vale tudo na hora de vender o serviço;
3) o Toga permanente - sempre usa termos técnico-jurídicos para confundir (diminuir) o cliente e (tentar) demonstrar ser importante; também não resolve nada;
4) o bombeiro - auto-explicativo (só resolve o incêndio que/quando aparece..)
5) o coitado - sempre atolado em papéis, audiências (e dívidas), vive pedindo dinheiro aos clientes e inventando "peças" que fazem o processo se prolongar;
6) o "não-ativo" - finalmente, em grande maioria, essa antítese do pró-ativo, não "anima" o andamento dos processos com visitas frequentes e não constrói ótimos relacionamentos nas varas, mas, "toca" sua carteira ao sabor das ondas do judiciário.

Infelizmente, os tipos acima devem representar 80% do efetivo total, aliás, assim como em todos os segmentos de serviços e, felizmente, depois de ser tomador do importante serviço de advocacia durante toda minha vida, tenho 3 profissionais que assessoram minha empresa perfeitamente! Mas precisei passar pelos tipos.... continuar lendo

Desculpe, João Bosco, concordo com seus itens de 1 a 5, mas sou obrigada a discordar do último. Não é o advogado que deve ter um "bom relacionamento" nas Varas (aliás, qual o outro nome que você daria a esse bom relacionamento mesmo?). São os funcionários do Fórum, os trabalhadores que "nós" todos pagamos, que deveriam cumprir com suas obrigações e fazer os processos andarem. Porque se o advogado tiver que se formar em relações públicas para que os outros façam os seus trabalhos, cumpram com suas obrigações, qual o tempo que lhe restará para o seu trabalho de gabinete, a meu ver a parte mais importante de seu ofício? E todos nós, brasileiros, sabemos qual é o procedimento desses "ótimos relacionamentos"... Em tempos de Lava Jato, acho que não é um bom caminho a seguir. Por causa destes, os que não "aderem" a estas práticas é que se vêem prejudicados. Felizmente o Novo Código de Processo Civil pretende mudar um pouco essa postura do Judiciário. continuar lendo

Falou tudo, Sandra Lacerda.
Discordo do item 6.
Urbanidade, decoro e respeito no trato é questão de educação, mas não existe isso de "construir ótimo relacionamento nas varas" como condição para que seus processos tramitem mais rápido.
O nome disso é corrupção e o serventuário que faz o processo do "amigo" tramitar mais rápido está cometendo o crime de prevaricação.
Olha como são as coisas, esses tempos mesmo li um artigo aqui de alguém reclamando de advogados que dão seus "jeitinhos", mas eis que agora aparece alguém dizendo que se o advogado não der um "jeitinho" então não é um bom advogado. continuar lendo

Sandra, boa tarde! Vc tem plena razão e não me refiro a relacionamento pago (para ser muito claro). Em qualquer setor da prestação de serviços, que é o único onde as pessoas realmente interagem, é preciso ser diferente. Certa vez, com 20 processos trabalhistas em minha empresa, passei a frequentar as varas, em companhia do meu advogado para saber o que ocorria e pude presenciar os diferentes tipos de profissionais (como em qualquer setor!..). Culpar o funcionalismo público já saiu de moda. Temos que ser pró-ativos! Todos!.. continuar lendo

Ainda acho, João Bosco, que ser pro-ativo com funcionalismo público passa pelo caminho da corrupção. Conheço alguns serventuários dos balcões que frequento, com muitos tenho bom relacionamento, alguns foram meus colegas de faculdade, mas jamais solicitei de qualquer um algum tipo de benefício e nunca tomei conhecimento de ter um processo adiantado por conta desses relacionamentos. Por outro lado, estas mesmas pessoas me reportam que alguns chefes de Cartório adotam o método de trabalho de colocar no fim da fila processos de advogados que foram "pro-ativos" quando exigiram algum direito em balcão, quando discutiam, ou mesmo quando aqueles não "simpatizavam" com estes. Ora! Se cada um fizer o seu trabalho não precisaremos recorrer a nenhum subterfúgio, nem simpatia, nem medo de exigir direitos, nem nada. Tenho processos idênticos, protocolados quase simultaneamente, contra mesma empresa, onde uns já estão na penhora de bens dos sócios, após passar por desconsideração de personalidade jurídica, enquanto em outros nem mesmo a citação ocorreu. A isso chamo incompetência do funcionalismo público. É descaso com o direito alheio. continuar lendo

Prezado João Bosco, infelizmente a realidade do nosso judiciário é lamentável e nos leva a ter que ser babá de processo, o que não é nossa função. Mas o fato de o advogado não visitar habitualmente o cartório para pedir que os processos andem não é falha do advogado. Temos sim que ser pró-ativos em relação aos processos, o que não quer dizer que seja um advogado que precise ser evitado no caso de não ter esta postura. A função do advogado está longe de ser impulsionar o processo pela morosidade da justiça. Para isso existem outras ferramentas e outros órgãos destinados a tal função. Sou pró-ativa na medida da necessidade, mas não em toda e qualquer situação. Caso contrário não sairíamos de dentro dos cartórios e a função que efetivamente nos diz respeito ficaria para as "calendas gregas", nos transformando no advogado do item 5, um coitado, atolado em atribuições diversas daquelas para as quais somos contratados. continuar lendo

João Bosco e Sandra
Vejo uma diferença de ideias entre vocês dois. Tenho um problema parecido. Primeiro admiro muito a profissão de advogado meu sonho de criança, porém meus problemas com a interpretação de texto me levou para as exatas e me tornei um engenheiro. Voltando ao problema: Me divorciei dia 19 de agosto do ano passado, pelo menos eu acho que estou divorciado. Tendo em vista que meu advogado disse que eu estava divorciado a partir do momento que o Juiz em um processo "letíjiso" o decretou em 19 de agosto passado. Porém e entretanto acho que o Juiz deveria fazer a averbação posteriormente e enviar para meu advogado e ele me passar esta averbação para que eu possa retirar uma nova identidade de solteiro. Inclusive minha atual namorada me cobra isto. Quando ligo para o advogado ele diz que não foi publicada eu acho que se pública. Já pensei até mesmo em procurar outro advogado. Mas é uma questão de pro-atividade de meu advogado. quero dizer existe algo que pode ser feito. Ou estas averbações demoram mesmo, já faz um ano. No meu entendimento falta interesse de meu advogado não esta sendo proativo, tipo abandonou se algum dia sair beleza. Ou estou sendo injusto em pensar assim do mesmo. continuar lendo

Parabéns João Bosco, você conseguir ir ao âmago da questão, não hã nada a complementar! continuar lendo

Meus amigos, quando o advogado cria um ambiente cordial no cartório, tentando ser gentil e amigo dos funcionários, tendo que muitas vezes, deixar a arrogância de lado para produzir bom relacionamento, correrá o risco de, no mínimo, obter "BOA VONTADE", e vejam, isto não implica necessariamente em corromper.

Quanto as cobranças dos honorários, não acredito que o pagamento total antecipado possa produzir bons resultados. Todos sabemos que é necessário que haja motivação para que as pessoas continuem com todo o seu empenho em uma tarefa. Após ter recebido todo o pagamento, e ainda assim, continuar com um processo se arrastando por muito tempo, certamente dará menor motivação ao profissional, até mesmo inconscientemente. Isto será diferente daquele processo que esteja gerando remuneração de imediato. E não adianta alguém dizer que com ele será diferente, pois, a motivação é o combustível da carruagem. Mal comparando, pague o total do orçamento de seu "pedreiro" e vamos ver por quanto tempo ele continuará motivado e comparecendo à sua obra, e em quanto tempo irá terminar o seu trabalho... guardadas as proporções, estamos discutindo a mesma coisa, a chamada "motivação para o trabalho" , motivação como, "razão para"....e resguardando as diferenças "quantitativas", qualitativamente os seres humanos reagem de forma muito parecida.

Particularmente não veria com bons olhos um profissional que exigisse o total pagamento de seus trabalhos sem nem mesmo ter iniciado, seja ele um mecânico de automóveis, um contador, um pedreiro, eletricista ou mesmo, um advogado. Acho sim que isto fatalmente irá gerar um "stress" em algum momento deste relacionamento profissional.
Se o prestador de serviços não pode confiar em seu cliente, por quais motivos o inverso deve ser verdadeiro? Será que é porque consideramos não existirem maus profissionais na área do direito?

Acredito que o foco do profissional deve estar em suas "taxas de sucesso", não adianta bater no peito e dizer, "sou um excelente profissional", é necessário demonstrar fatos, e não vender discursos.
A venda de discursos não deve necessariamente convencer ao contratante de que seremos excelentes profissionais em todos os aspectos e detalhes de nosso trabalho.
Todos nós também, e com raras exceções, ao contratar um novo funcionário, o fazemos por um período de experiencia...

Certamente há maus clientes, mas com certeza, existem também os maus advogados...e se de um lado operador do direito pode ter suas dúvidas quanto à "qualidade" do cliente, o cliente, por sua vez, deve ter ainda maiores dúvidas sobre o advogado, uma vez que, este primeiro pode apenas deixar de receber seus honorários, enquanto o outro, pode perder até mesmo sua liberdade.......nem tanto ao céu e nem tanto ao mar.

Ao ler o Texto da Thaiza, em certo momento lembrei-me da velha história, "existem advogados que pensam que são Deus, enquanto alguns juízes tem a certeza disto"..... continuar lendo

Jose Carlos Fausto, é exatamente esse o ponto. E, aos demais, que pensam "não ser possível construir excelentes relacionamentos sem corrupção", lamento, mas entendo seu cansaço.. não desistam! continuar lendo

Discordo do item 6. Não é papel do advogado ser lobista.
Também discordo do item 1. A menos que você pague uma fortuna ou que o advogado não esteja promovendo o adequado andamento do processo, é suma petulância exigir exclusividade ou algo do gênero. continuar lendo

Vou falar como cliente, conheço uma centena de casos de clientes que pagaram 100% de honorários adiantados e depois sequer conseguem falar com os advogados. continuar lendo